Seguro de Moto

Seguro de Moto: sua moto sempre bem segura

Seguro de moto é similar ao seguro de carro, ao menos, no que diz respeito a coberturas, prêmio, franquia e pagamento do seguro obrigatório, o DPVAT que, em caso de acidentes, possui o mesmo valor de indenização independente do valor de mercado do veículo. O seguro particular dispõe de uma cobertura básica chamada Cobertura Compreensiva que oferece proteção para colisão, incêndio, roubo e furto. Os valores de indenização podem ser por valor de mercado referenciado que garante ao segurado, no caso indenização integral da moto, o pagamento de quantia determinada pela tabela Fipe, tabela de referência de cotação para a motocicleta e, por valor determinado quando a seguradora repõe o valor acordado pelas partes no ato da contratação. O quanto será pago pela apólice, também funciona da mesma maneira, isto é, o perfil do usuário, o modelo da motocicleta, cidade onde mora e circula, entre outros fatores é que define o preço.

Quais são as diferenças entre o seguro de carro e de moto?

As semelhanças acabam ai. Enquanto em um seguro de um automóvel, o valor da apólice variar entre 5% a 8% do valor do carro, o de moto pode variar até, aproximadamente, 13% do valor do bem. É relativamente alto por causa do maior risco. Em cidades como São Paulo, Rio de Janeiro e outras com alto índice de furtos e sinistros muitas seguradoras nem aceitam a proposta, especialmente, se a moto foi menor que 200 cilindradas (cc ou cm3). Outras seguradoras só aceitam fazer o seguro nessas cidades se a moto for utilizada apenas para lazer e tiver 250 cilindradas ou mais; com menos de 250 cc, se o veículo for usado para trabalho é raro encontrar uma seguradora que aceite esse cliente. O problema é que motos de 51 a 150 cm³ são as mais vendidas e são poucos os donos de motos de baixa cilindrada que conseguem pagar o valor cobrado. As motos maiores, acima de 450 cm³, correspondem a aproximadamente 3% das vendas. Por isso apenas 5% das motos que circulam por ai possuem seguros privados. O valor é alto porque tem poucos veículos segurados e as seguradoras não veem possibilidade de aumentar o número de clientes porque o volume de sinistros é elevado.

Os sinistros abrangem roubos, furtos e acidentes que ocorrem com maior frequência com as motos. De acordo com dados do Denatran, hoje são mais de 18 milhões de motocicletas em circulação no país. Este número representa 25% de toda a frota nacional. Na última década o crescimento foi de 246%. Com o boom de vendas, o pagamento do seguro obrigatório (DPVAT), um dos termômetros para medir a quantidade dos acidentes no trânsito, aponta que as motos correspondem a 25% da frota brasileira, mas respondem por 59% dos acidentes. A chance de se envolver em acidentes de trânsito é 14 vezes maior do que estando de carro.

As estatísticas sobre acidentes, o alto índice de roubos, principalmente, em motos de média e alta cilindrada, e outros sinistros influenciam no valor do prêmio das motos. O perfil do motorista também é mais rigoroso, as seguradoras querem saber, além da idade – o consumidor de motos têm entre 21 e 35 anos (40%) e é homem (75%), perfil considerado de maior risco – se a moto é para trabalho ou lazer, tipo de trabalho, se pretende viajar com a moto e até se você faz partes de motoclubes vão ser levados em conta.

Clientes que não estão dentro do perfil de “muito risco”, têm uma série de benefícios ao contratar o seguro de moto desde, é claro, que esteja disposto a pagar. Uma opção mais acessível, oferecida por algumas seguradoras é contratar plano de seguro apenas contra roubo e furto. Todo cliente que contrata esse plano deverá obrigatoriamente instalar um rastreador em sua moto, o valor do seguro já inclui a instalação e o aparelho de rastreamento.

E bom esclarecer que há empresas que vendem rastreadores e que possuem planos de reembolso. O seguro contra roubo e furto possui a emissão da apólice e é regulamentado e fiscalizado pela Susep (Superintendência de Seguros Privados), o órgão do governo responsável pelas seguradoras, inclusive por fiscalizar as reservas de mercado que as seguradoras são obrigadas a ter para honrar os sinistros. As empresas que vendem rastreador e planos de reembolso em caso de roubo ou furto, caso a moto não seja localizada e recuperada, não. O índice de recuperação de motos roubadas e que possuem sistema de rastreamento é grande.

Para quem pode pagar o seguro proporciona tranquilidade e pode ser contratado de acordo com o seu perfil. Também proporciona benefícios extras em caso de sinistro e roubo é possível contar com guincho, assistência mecânica e elétrica, remoção hospitalar após acidente, traslado de corpos e formalidades legais, hospedagem, moto extra, descontos em oficinas, chaveiros etc. Cada contrato difere conforme os itens incluídos na apólice.